Poesias

SETA DO SONHO

Fica conspirado
que a seta
cravada no peito
há de pôr-se a trabalhar
os braços em riste
os afrontamentos
e provar pelo fogo
o coração dos verdugos
os senhores dos juros.


E com o amigo
pão e vinho
ajuntar a lágrima
que cai de Deus
e é de todos, e por todos
deve ser bebida.


17/01/2012

 

 

Site da Rede Artistas Gaúchos desenvolvido por wwsites