Poesias

COVARDIA

Tudo acabou
para que tudo recomeçasse,
e tudo se havia perdido:
o desejo, o tempo, a palavra.

Foi desse coração carregado
do lodo humano
que tudo tardou a recomeçar.

A fome n√£o esperou,
e tudo virou estrume aos porcos.

Todos os caminhos do mundo
trouxeram os b√°rbaros
que h√° muito
afiavam suas garras
na porta de nossa casa,
por sobre os ombros covardes
de nossos desejos,
de nosso tempos,
de nossas palavras.

Todos os caminhos do mundo
trouxeram os b√°rbaros
de nossa desesperança:
n√£o perguntamos nada,
n√£o revidamos,
esperamos e calamos.
Fomos a provação,
os c√ļmplices
de nossa própria covardia.


27/04/2010

 

 

Site da Rede Artistas Gaúchos desenvolvido por wwsites