Poesias

Lavra

Lavrar
a própria agonia
de um Destino quando
a morte que se posterga
nasce.
Lavrar
o incriado desejo.
Deus,
quando é que eu terei
uma face?

Paulo Roberto do Carmo


05/01/2010

 

 

Site da Rede Artistas Gaúchos desenvolvido por wwsites